Vem aí mais um aumento nos combustíveis. Só este ano, gasolina já subiu 25 vezes e recuou apenas duas

Prepare-se para desembolsar mais uns euros para atestar o depósito do seu automóvel. Os  preços dos combustíveis vão subir na próxima semana, ficando mais caros já a partir de segunda-feira.

Segundo fonte do sector contactada pela MultiNews, nas principais petrolíferas nacionais, a “evolução das cotações em euros aponta para uma subida de meio cêntimo por litro no preço do gasóleo e de um cêntimo por litro na gasolina.”

Os preços dos postos junto aos hipermercados, que ganharam muitos adeptos com a escalada dos combustíveis, seguem as tendências de mercado e aqui, “as subidas rondam os 0,0049 euros por litro, no caso do gasóleo, e 0,0080 euros por litro no que diz respeito à gasolina”, avançou uma outra fonte.

Os preços dos combustíveis em Portugal têm registado uma trajetória ascendente. No caso do gasóleo, segundo os dados da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG), o preço subiu 22 vezes e desceu apenas três desde o início do ano. Quanto à gasolina, aumentou 25 vezes e recuou apenas duas desde janeiro.

Assim, desde o início do ano, a gasolina 95 subiu 26 cêntimos por litro e o gasóleo aditivado valorizou cerca de 20 cêntimos. Isto quer dizer que encher um depósito de 60 litros de gasolina custa agora mais de 16 euros do que em janeiro. Já para atestar um depósito de gasóleo são precisos mais de 12 euros do que há seis meses.

Os dados da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) mostram que o preço médio do litro de gasolina em Portugal custa atualmente 1,730 euros, enquanto o do gasóleo vale 1,518 euros. Com as subidas da próxima semana, o preço dos combustíveis aproxima-se cada vez mais do recorde histórico alcançado em 2012, quando o litro da gasolina chegou a custar 1,75 euros e o do gasóleo valia 1,55 euros.

De acordo com o último relatório de Bruxelas, depois de impostos, o preço médio dos combustíveis praticado em Portugal é o quinto mais caro em toda a UE. O relatório da Comissão Europeia também deixa claro que a grande fatia do preço cobrado por cada litro de combustível vai para os cofres do Estado.

Governo propõe lei para atuar sobre margens de comercialização dos combustíveis

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, anunciou esta semana que o Governo preparou um decreto-lei que lhe permitirá “atuar sobre as margens de comercialização” dos combustíveis.

Ouvido no Parlamento nesta quarta-feira, o ministro disse que o objetivo é fazer com que “o mercado de combustíveis reflita os seus verdadeiros custos”, isto é, que “quando se verifique uma descida, a mesma seja sentida e apropriada pelos consumidores ao invés de apropriada pelas margens de comercialização, evitando, ainda, subidas bruscas e, potencialmente, injustificadas”.

Para o ministro, o país está a assistir a uma subida excessiva dos preços e é preciso intervir “mediante fundamentação regulatória”. “O capitalismo, para ser saudável, precisa da moderação do Estado — é isso que nos propomos fazer”, afirmou. Em declarações à Rádio Observador, João Pedro Matos Fernandes adiantou que se esta nova atribuição legal já estivesse em vigor haveria “uma diferença na gasolina de 9,6 cêntimos e no gasóleo de cerca de 1 cêntimo”.

Matos Fernandes tomou esta decisão depois de a Entidade Nacional para o Sector Energético (ENSE) divulgar um estudo a confirmar a subida dos combustíveis “é mais justificada pelo aumento dos preços antes de impostos e das margens brutas do que pelo aumento da fiscalidade”.

Por sua vez, a Apetro – Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas tem vindo a atribuir o nível atual de preços nos combustíveis, superior a 2008, ainda que a cotação do petróleo seja inferior, à incorporação de biocombustíveis e à elevada carga fiscal.

Os últimos dados publicados pela Associação mostram que apenas 26% do preço de venda ao público da gasolina resulta da sua cotação internacional, 4% é o custo de incorporar biocombustível, 10% são os custos da logística de distribuição e 60% são impostos. No gasóleo a cotação pesa 29% no preço final, o biocombustível 7%, a logística 9% e os impostos 55%.

Os mais Económicos
Gasolina(s):

– Gepoil – Prio de Candedo – 1.421€

– Petrovouguinha comercio de combustiveis e derivados Lda – 1.440€

– Combustíveis Agostinho & Agostinho Lda, em Fráguas – 1.445€

– J.V.Dias Lda, em Constância – 1.449€

– Gepoil – Prio de Candedo – 1.451€

Gasóleo(s):

– Intermarché de Vilar Formoso – 1.259€

– Gepoil – Prio de Candedo – 1.266€

– J.V.Dias Lda, em Constância – 1.268€

– Acácio Marques Gomes, em Várzea do Bispo – 1.268€

Ler Mais




Comentários
Loading...