Covid-19: férias de verão podem ficar arruinadas pelo aumento do número de casos positivos na Europa, alertam especialistas

Os casos da Covid-19 estão a aumentar em alguns dos locais preferidos de férias dos britânicos, o que levanta preocupações de caos nas viagens para milhões de pessoas neste verão, garantiu esta terça-feira o tabloide britânico ‘Daily Mail’.

Embora os viajantes não precisem mais de comprovar que estão livres da Covid-19, há diversos pedidos dos responsáveis de saúde para o regresso das máscaras: em Itália, por exemplo, quem testar positivo terá de se isolar por uma semana. Os viajantes podem facilmente enfrentar restrições nos seus destinos de verão, se as autoridades sentirem que o aumento dos casos positivos justifica ações nas próximas semanas.

“Podemos analisar os níveis de infeção agora mas isso não nos diz onde estarão quando forem realmente as viagens. Nem nos diz se atingiu as pessoas que nos levam ao nosso destino ou lidam com as nossas malas”, explicou ao tabloide britânico Martin McKee, presidente da British Medical Association (BMA).

“Os Governos podem fingir que está tudo bem, ao cortar na vigilância, mas o vírus vai provar que estão errados. Temos constantemente novas variantes a surgir, com a BA.2.75 no horizonte, assim como uma carga crescente de ‘Covid longo’. Ainda não estamos fora de perigo”, precisou.

No entanto, diversos países, muitos dos quais a depender do turismo, têm-se mostrado resistentes a restrições devido à Covid-19. “Eu realmente não sei se algum destino de férias vai mudar as regras. Duvido que muitos países tornem as regras mais restritivas”, explicou Paul Hunter, especialista em doenças infeciosas da Universidade de East Anglia, que observou que “há um problema sobre o pessoal dos aeroportos e companhias aéreas se muitos funcionários estiverem a testar positivo e portanto fora do trabalho. Os próprios viajantes que testarem positivo não serão aceites nos voos.

Espanha

Os casos de Covid em Espanha, o principal destino de férias do Reino Unido, estão a aumentar. O país registou 417 casos por milhão de pessoas por dia na semana até 1 de julho, um aumento de 61,6% em relação a 15 dias antes, quando 258 pessoas testaram positivo diariamente. No entanto, o número ainda é uma fração da taxa observada no pico de janeiro, quando foram registados por dia 3.081 casos.

Os viajantes com idade igual ou superior a 12 anos do Reino Unido têm de apresentar prova de vacinação, infeção anterior ou teste negativo à chegada. A ministra da Saúde, Carolina Darias, disse na semana passada que todos no país devem começar a usar uma máscara facial quando estiverem em espaços públicos.

França

As infeções pela Covid-19 em França são as mais altas desde abril e continuam a aumentar – cerca de 1.639 pessoas por milhão testaram positivo na semana até 4 de julho. As taxas de infeção aumentaram 78,2% na última quinzena.

A ministra da Saúde, Brigitte Bourguignon, apelou para que as pessoas mostrem o “dever cívico” de usar máscaras em locais lotados como transportes públicos, locais de trabalho e lojas para ajudar a controlar o surto. “Não estou a dizer que deveria ser obrigatório, mas peço ao povo francês que coloque a máscara no transporte público.”

Portugal

Portugal, um hotspot turístico favorito entre os britânicos, levantou esta semana todos os requisitos de entrada à Covid-19 para viajantes. A partir de 1 de julho, as chegadas ao país não precisam apresentar comprovativo de vacinação ou teste negativo. No entanto, o Governo salientou que estas medidas “podem ser revistas de acordo com a evolução da pandemia”.

Os casos no país têm apresentado uma tendência de queda há ums mês, com cerca de 869 pessoas por milhão a testar positivo a 30 de junho, uma queda de 44,2% face às duas semanas anteriores.

Ler Mais


Comentários
Loading...