Israel: Polícia matou um palestiniano inocente com seis tiros após acidente de carro

Em junho do ano passado, as autoridades israelitas mataram Ahmad Erakat, um palestiniano inocente de 27 anos, perto da cidade de Abu Dis, na Cisjordânia ocupada, depois de o veículo que conduzia ter chocado com um posto da guarda, concluiu hoje um relatório, divulgado pelo Guardian. Até aqui, Israel sempre justificou o ato, afirmando que o homem era um “terrorista que ia realizar um ataque” e tentara “atropelar uma agente”. Porém, segundo o seu tio, Saeb Erakat, secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), tratou-se de “uma execução”.

A Forensic Architecture, um órgão de investigação britânico com sede na Universidade de Londres, revelou ter realizado uma análise à morte do jovem com recurso a imagens das câmaras de segurança no local. O incidente foi descrito pela polícia israelita como um “ataque de um veículo contra o posto de controlo policial”, pelo que as suas forças tiveram de “neutralizar rapidamente a ameaça”, relembra o diário britânico.

No entanto, a Forensic Architecture, que reconstruiu a cena usando as gravações filmadas pelas câmaras de segurança, colocou “sérias dúvidas” sobre a veracidade das alegações israelitas, concluindo assim que houve “excesso de força naquilo que nada mais foi do que um acidente”.

De acordo com a família de Erakat, o jovem estava a apenas a deslocar-se para preparar o casamento da sua irmã que decorreria nesse dia. A polícia israelita afirmou que Erakat “abordou oficiais” após o acidente. A Forensic Architecture concluiu o contrário: “Só levantou as mãos, afastou-se dos soldados e não representou qualquer tipo de ameaça que justificasse os seis tiros de que foi alvo.”

O corpo de Erakat foi deixado no chão durante mais de uma hora e meia, como indica a imprensa britânica.





Notícias relacionadas
Comentários
Loading...