Vírus que mata o cancro mostra sinais promissores em ensaios clínicos, garantem especialistas

Um novo tipo de terapia contra o cancro que usa um vírus comum para infetar e destruir as células nocivas tem-se mostrado muito promissor nos primeiros testes em humanos, revelaram esta sexta-feira cientistas do Reino Unido – o cancro num paciente desapareceu, ao passo que outros viram os seus tumores encolherem. O medicamento utilizado é uma forma enfraquecida do vírus da afta – herpes simplex -, que foi modificado para matar tumores.

São necessários mais estudos mas os especialistas apontaram que a injeção do vírus pode oferecer uma boia de salvação para mais pessoas com cancros em estágios avançados. Os ensaios clínicos, administrados pelo Instituto de Pesquisa do Cancro do Royal Marsden NHS Foundation Trust, na Grã-Bretanha, têm proporcionado um curto curso da terapia do vírus, uma versão especialmente modificada do vírus que normalmente causa herpes labial, e parece ter eliminado o cancro.

As injeções, dadas diretamente no tumor, atacam-no de duas formas – invadindo as células cancerosas e fazendo-as explodir ou ativando o sistema imunológico.

Cerca de 40 pacientes tentaram o tratamento como parte do estudo clínico: alguns receberam a injeção do vírus, chamada RP2. Outros também receberam outro medicamento contra o cancro, chamado nivolumab. Os resultados, apresentados numa conferência médica em Paris, demostraram:

– três em cada nove pacientes que receberam apenas RP2 viram os seus tumores encolherem;
– sete em cada 30 que receberam tratamento combinado também pareceram beneficiar;
– os efeitos colaterais, como cansaço, foram geralmente leves.

Kevin Harrington, investigador principal, garantiu aos britânicos da ‘BBC’ que as respostas ao tratamento observadas foram “verdadeiramente impressionantes” numa ampla variedade de cancros avançados, incluindo cancro do esófago e um tipo raro de cancro do olho. “É raro ver taxas de resposta tão boas em ensaios clínicos em estágio inicial, pois o objetivo principal é testar a segurança do tratamento e envolvem pacientes com cancros muito avançados para os quais os tratamentos atuais pararam de funcionar”, referiu. “Estou ansioso para ver se continuamos a ver benefícios à medida que tratamos um número crescente de pacientes.”

Marianne Baker, da Cancer Research UK, frisou que as descobertas podem mudar o curso dos tratamentos. “Os cientistas descobriram que os vírus podem ajudar a tratar o cancro há 100 anos mas tem sido um desafio aproveitá-los com segurança e eficácia. Esta nova terapia viral mostra-se promissora num teste inicial de pequena escala – agora precisamos de mais estudos para descobrir como funciona. A pesquisa sugere que combinar vários tratamentos é uma estratégia poderosa, e terapias de vírus como esta podem tornar-se parte de nosso kit de ferramentas para vencer o cancro.”

Ler Mais



Comentários
Loading...