Quem são os candidatos a substituir Putin? E qual a probabilidade de um golpe de Estado? Historiador enuncia hipóteses

O presidente russo, Vladimir Putin, perdeu o contacto com a realidade – depois de declarar uma mobilização parcial para tentar reverter as derrotas na Ucrânia, intensificou as ameaças nucleares da Rússia. A cada dia da invasão, a Rússia fica cada isolada no panorama internacional. Cada vez mais dependente da China, para evitar que a sua economia entre em colapso devido às sanções do Ocidente, e os sucessivos fracassos em solo ucraniano, levam à pergunta: quem poderá suceder a Putin se houver um golpe de Estado?

Um historiador ofereceu a sua perspetiva de um golpe de Estado na Rússia para expulsar Vladimir Putin e enumerou os possíveis candidatos a substitui-lo – Sergey Radchenko, professor do Henry A Kissinger Center for Global Affairs e da Johns Hopkins School of Advanced International Studies, num artigo para a revista ‘Foreign Affairs’, garantiu que a história recente não oferece muito encorajamento a quem espera que o líder russo seja destronado.

“Mesmo que os deputados de Putin concluam que querem Putin fora, removê-lo do poder será difícil. Moscovo não sofreu tentativas de golpe de Estado, bem-sucedidas ou malsucedidas, desde que a União Soviética caiu”, garantiu, afirmando que “não faltarão possíveis usurpadores”. É “quase certo” de que quem rodeia Putin “está a olhar cuidadosamente e a pensar através de potenciais cenários de sucessão”.

Então, quem poderia assumir o poder no Kremlin, segundo o historiador?

Ministro da Defesa, Sergei Shoigu – um ‘apparatchik’ de pedigree distinto mas agora com um registo militar irremediavelmente manchado. O seu apoio, no entanto, é essencial para qualquer conspiração para tomar o poder.

Chefe do Conselho de Segurança, Nikolai Patrushev – muitas vezes nomeado entre os possíveis sucessores de Putin, embora seja improvável, se não por outra razão que não seja por ser mais velho do que Putin.

Ex-presidente Dmitry Medvedev – tem recorrido à retórica genocida para se manter relevante mas ninguém o leva a sério.

Presidente da Duma estatal, Vyacheslav Volodin – está claramente na corrida e ‘controla’ a legislação para qualquer legitimação de um novo líder.

Primeiro-ministro Mikhail Mishustin – tecnocrata capaz e um ‘cavalo negro’ que galopa por terrenos onde os ‘cavalos escuros’ historicamente obtiveram grandes vitórias.

Antigo primeiro-ministro Sergei Kirienko – liberal caducado a quem Putin confiou a supervisão do território ucraniano ocupado.

Antigo guarda-costas de Putin, Viktor Zolotov – atual chefe da Guarda Nacional russa, pode muito bem suceder ao seu chefe.

Alexander Kurenkov – outro antigo guarda-costas de Putin e agora ministro das situações de emergência.

Dois ‘outsiders’ estrangeiros – o infatigável checheno Ramzan Kadyrov e Yevgeny Prigozhin, um confidente de Putin e oligarca russo que controla o grupo paramilitar Wagner.

“Os sucessores podem muito bem romper com o comportamento dos antecessores quando conveniente. Isso significa que a eventual substituição de Putin não tem de ser investida na sua agenda neo-imperialista. Na verdade, se Putin fosse expulso, os seus sucessores provavelmente culpariam a Ucrânia pelas suas decisões e tentariam começar com uma ficha limpa”, apontou Sergey Radchenko.

Ler Mais



loading...

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.