Parlamento russo dá primeira aprovação a pacote de “medidas económicas especiais” para apoiar invasão à Ucrânia

Deputados russos deram esta terça-feira o primeiro selo de aprovação a dois projetos de lei que autorizariam o governo a obrigar as empresas fornecerem bens aos militares e os seus funcionários a trabalhar horas extras para apoiar a invasão russa da Ucrânia, avança a ‘Reuters’.

O vice-primeiro-ministro Yuri Borisov disse ao parlamento que as medidas foram motivadas pela necessidade de apoiar os militares, num momento em que a economia da Rússia estava sob “pressão colossal de sanções” do Ocidente, mais de quatro meses depois do que chama de operação militar especial na Ucrânia.

“A carga da indústria de defesa aumentou significativamente. Para garantir o fornecimento de armas e munições, é preciso otimizar o trabalho do complexo industrial militar e das empresas que fazem parte das cadeias de cooperação”, afirmou, citado pela ‘Reuters’.

Um dos projetos de lei – aprovados em primeira leitura pela câmara baixa do parlamento – estabelece que o estado pode impor “medidas económicas especiais” durante as operações militares, exigindo que as empresas fornecessem bens e serviços aos militares conforme a procura do governo russo.

Numa nota explicativa anexada ao projeto, lê-se que os militares precisavam de novos materiais e reparos de armas para prosseguir com a sua campanha na Ucrânia.

“A necessidade de atender prontamente a esses requisitos, especialmente no contexto de sanções contra a Rússia e as pessoas jurídicas russas, exigirá que concentremos temporariamente os nossos esforços em determinados setores da economia (…) e organizemos o fornecimento de recursos por meio da defesa do Estado. aquisição”, sublinha.

Um segundo projeto de lei, também aprovado em primeira leitura, alteraria o código trabalhista para conceder ao governo o direito de regular o horário de trabalho e determinar dias de folga em determinadas empresas.

Isto pode significar que o governo pode obrigar os funcionários de empresas que fornecem bens aos militares a trabalhar à noite, aos fins de semana e feriados, e sem férias anuais.

Ambos os projetos de lei foram apresentados pelo governo russo e aprovados numa primeira votação. Mas ainda terão de passar por uma segunda e terceira leituras, ser revistos ​​pela câmara alta do parlamento e depois assinados pelo presidente Vladimir Putin, para se tornarem lei.

Ler Mais


Comentários
Loading...