O seu carro está a consumir mais combustível do que o normal? Saiba porquê

A Europa em geral, e Portugal em particular, atravessa uma período de frio intenso, algo que poderá afetar o consumo de combustível no seu veículo.

De acordo com Marcelo Augusto Leal Alves, professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, as temperaturas abaixo de 10 °C faz diminuir a pressão de ar dentro dos pneus. “Essa redução faz com que o veículo tenha um aumento da resistência ao circular – o carro precisa de mais energia para fazer os pneus rolarem –, e isso aumenta o consumo”, explicou o especialista, em declarações aos brasileiros do ‘globo.com’.

Outro fator de influência, de acordo com o especialista, diz respeito à aerodinâmica do veículo. “Quando está muito frio, a densidade do ar aumenta; isso aumenta a resistência e, consequentemente, a aerodinâmica do veículo. O fenômeno é mais sentido em autoestradas, quando a velocidade do automóvel é maior.”

Além disso, no inverno extremo pode haver um aumento da viscosidade do óleo – Alves explicou que com os lubrificantes mais densos, o veículo gasta um pouco mais de combustível para mover o óleo dentro da caixa de mudanças ou do motor.

Mas não são só os carros de combustão que são afetados pelo frio: o inverno rigoroso também afeta os carros elétricos. “Nesses veículos ocorre um aumento do consumo da bateria. Além do maior consumo devido à ligação de aquecimento – um problema que não ocorre nos modelos a combustão -, as baterias perdem carga em temperaturas baixas”, frisou.

Assim, o que fazer?

Para diminuir o problema, o condutor deve deixar o carro longe do frio – por exemplo, numa garagem coberta para que a cabina não precise de muito aquecimento. É importante manter os pneus sempre calibrados e não aquecer o motor antes de sair, uma prática só para veículos mais antigos, uma vez que os novos modelos já dispõem de sistemas que regulam a temperatura para um funcionamento normal do motor.

Ler Mais



loading...
Notícias relacionadas