Mistério do relâmpago espacial: Descarga elétrica “gigantesca” subiu 80 km em direção ao espaço

Num estudo recente, os cientistas investigaram uma descarga elétrica maciça que subiu 80 quilómetros no espaço durante uma tempestade em Oklahoma, em maio de 2018.

Segundo o ‘Express’, há agora novas informações sobre o fenómeno atmosférico indescritível, que foi o jato “gigantesco” mais poderoso já estudado, carregando 100 vezes mais carga elétrica do que um relâmpago típico de uma tempestade.

O fenómeno resultou em cerca de 300 coulombs de carga elétrica a serem lançados na ionosfera, que é a borda inferior do espaço. Um raio normalmente carrega menos de cinco coulombs entre a nuvem e o solo ou dentro das nuvens.

No entanto, a descarga elétrica do jato foi relativamente fria, pois as flâmulas de plasma foram registadas a aproximadamente 204 graus Celsius, de acordo com os investigadores.

Enquanto isso, os jatos gigantescos também continham estruturas extremamente quentes conhecidas como líderes, que estavam a queimar a uma temperatura de 4.426,667 graus Celsius.

O autor, Levi Boggs, investigador do Georgia Tech Research Institute (GTRI), disse: “Conseguimos mapear esse jato gigantesco em três dimensões com dados de alta qualidade”.

“Conseguimos ver fontes de frequência muito alta (VHF) acima do topo da nuvem, o que não tinha sido visto antes com esse nível de detalhe”, acrescentou. “Usando dados de satélite e radar, fomos capazes de aprender onde a porção líder muito quente da descarga estava localizada acima da nuvem”.

Steve Cummer, professor de engenharia elétrica e de computação na Duke, usou as ondas eletromagnéticas que os raios emitem para estudar o poderoso fenómeno.

O responsável opera um local de pesquisa onde sensores semelhantes a antenas convencionais são dispostos num campo vazio, esperando para captar sinais de tempestades que ocorrem localmente.

“Os sinais VHF e óticos confirmaram definitivamente o que os investigadores suspeitavam, mas ainda não provaram: que o rádio VHF do raio é emitido por pequenas estruturas chamadas streamers” explicou.

Essas estruturas, acrescentou, “estão na ponta do raio em desenvolvimento, enquanto a corrente elétrica mais forte flui significativamente atrás desta ponta em um canal eletricamente condutor chamado de líder”.

Os cientistas estudaram e observaram jatos gigantescos nas últimas duas décadas, mas como não há um sistema de observação específico para procurá-los, as deteções têm sido raras.

Os investigadores acreditam que a razão pela qual esses jatos disparam para o espaço, pode ser porque algo pode estar a bloquear o fluxo de carga para baixo – ou em direção a outras nuvens.

Ler Mais



Comentários
Loading...