Ex-presidente da Polónia está “falido” e à procura de emprego devido à pandemia de Covid-19

Até cerca de meados de 2020, o ex-presidente da Polónia, Lech Walesa, ganhava a vida com o lucrativo circuito de palestras internacionais. Mas desde então, as restrições de viagem da Covid-19 levaram-no à beira da falência, avança o jornal alemão ‘Deutsche Welle’ (DW).

“Eu tinha muitas viagens planeadas. Devia viajar para Itália, Alemanha, Estados Unidos e outros locais e infelizmente todas elas falharam”, disse numa entrevista à imprensa polaca.

Os que falam polaco são poucos e distantes entre si no circuito internacional de palestras de língua inglesa. Mas Walesa comanda o reconhecimento do nome no exterior.

A experiência do polaco em “questões orientais”, como a Ucrânia, elevou o das suas palestras políticas desde 2014. Mas o que fontes do sector chamam de “cansaço da guerra cultural” diminuiu a procura por opiniões.

“Estou falido porque recebo seis mil zlotys (1.450 euros) por mês da minha pensão e a minha esposa gasta sete mil zlotys todos os meses”, disse Walesa, adiantando que com o avançar da pandemia, decidiu aumentar o seu cachet para 18 mil zlotys por mês.

O responsável disse ainda: “Ganhei muito dinheiro com capitalistas ocidentais”, afirmou. Um serviço de reserva para oradores principais estava a propor palestras de Walesa entre 50 mil dólares (44 mil euros) a 100 mil dólares (88 mil euros).

Para além disso, Walesa complementava os seus rendimentos com palestras sobre sessões de liderança, reuniões motivacionais para empresas e serviços promocionais. Uma reunião de 1-2 horas tinha um preço mínimo de 20 mil zlotys (quatro mil euros).

Esta não é a primeira vez que Walesa enfrenta problemas financeiros. Em fevereiro, disse que estava à procura de trabalho adicional, porque a pandemia estava a atingir a sua carteira.

Em abril, Walesa anunciou que estava à procura de emprego e publicou o seu anúncio no portal flexi.pl, para pessoas com mais de 50 anos à procura de emprego.

“Um líder experiente, grande orador, vencedor do Prémio Nobel da Paz , presidente da República da Polónia 1990-1995, cofundador e primeiro presidente da NSZZ Solidarnosc, realiza reuniões e treinos com lideranças, aceita convites para reuniões de incentivo em empresas , mas também em famílias, possíveis serviços promocionais, fotos conjuntas e autógrafos”, lê-se.

Ler Mais


Comentários
Loading...