Das cinzas à chuva ácida: Os sete principais perigos da erupção vulcânica de La Palma

A região de La Palma, nas ilhas Canárias, tem sido muito falada nos últimos dias, na sequência de uma erupção vulcânica que aconteceu no domingo e abalou a ilha.

Agora, o ‘National Geographic Institute’ (IGN) identificou os sete principais perigos, inerentes a esta erupção: Fluxos de lava, cinzas, fluxos piroclásticos, emissões de gás, fluxos de lama, deslizamentos de terra e tsunamis.

1.Fluxos de lava

Trata-se do manto de lava que flui, como resultado de uma erupção efusiva. Quanto mais viscoso, menor será a distância que percorrida, mas maior será a altura. Se for mais fluido, o manto mais fino pode ocupar grandes áreas.

“Um fluxo de lava com uma altura média de seis metros corrói literalmente todas as casas, infraestruturas e culturas que encontra a caminho da costa do vale do Aridane”, explica Mariano Hernández Zapata, presidente do Cabildo de La Palma, citado pelo ‘ElPaís’.

Já mais de 100 casas foram arrasadas pelos efeitos da erupção do vulcão que começou no domingo nas Ilhas Canárias. Cientistas que estudam sua evolução preveem que o fluxo de lava entre no mar na costa de Tazacorte, possivelmente em Playa Nueva, em Los Guirres.

2.Cinzas

O Plano de Emergência Vulcânica das Ilhas Canárias (Pevolca) alertou que as cinzas do vulcão Cabeza de Vaca podem causar “lesões no trato respiratório, olhos e feridas abertas, bem como irritação na pele”, pelo que recomenda elevada exposição às mesmas.

Segundo o IGN, “durante uma erupção explosiva, uma mistura de gases e piroclastos [fragmentos sólidos de material vulcânico ejetado] é emitida para a atmosfera”.

As “bombas vulcânicas” são os maiores fragmentos, com trajetórias balísticas a partir do centro de emissão, mas têm um alcance menor, de poucos quilómetros. O resto das partículas são levantadas pelos gases vulcânicos e geram a pluma, que pode formar uma coluna convectiva de dezenas de quilómetros.

Quando a densidade dos gases e partículas é igual à da atmosfera circundante, começa a “chuva” de cinzas, que se dispersa pelos ventos e turbulências e pode cobrir grandes áreas, com milhares de quilómetros quadrados e até metros de espessura.

3.Fluxos piroclásticos 

Se a pluma gerada por uma erupção explosiva não tiver energia suficiente, ou uma densidade menor do que a da atmosfera circundante, acontece um colapso que gera fluxos densos de uma mistura de gases e partículas sólidas a uma temperatura muito alta, que se movem em altas velocidades, chamadas de fluxos piroclásticos.

Quando esses fluxos são mais diluídos, apresentam um movimento mais turbulento e são chamados de ondas piroclásticas. O conjunto de fluxos que inclui fluxos piroclásticos e surtos, em conjunto com casos intermediários é denominado de “fluxo piroclástico”.

4.Emissões gasosas

O vulcão La Palma já emitiu entre seis mil a nove mil toneladas de dióxido de enxofre (SO2) por dia na atmosfera, segundo o primeiro cálculo do Instituto Vulcanológico das Ilhas Canárias (Involcan).

Os gases inicialmente dissolvidos no magma são separados durante a erupção e injetados na atmosfera em altas temperaturas e velocidades. Além de serem emitidos de forma violenta, os gases podem escapar por pequenas fraturas ou fissuras no edifício vulcânico e arredores de forma mais ou menos contínua, dando origem a um fumo.

Alguns gases, como o dióxido de carbono, podem escapar por difusão pelo solo em grandes e gerar uma nuvem que se move a uma altura de alguns centímetros, dependendo da topografia, até se diluir na atmosfera.

Os gases libertados no ar podem gerar chuva ácida ao juntar-se à água pulverizada ou à água da precipitação e podem causar dor de cabeça, dificuldade em respirar, vómitos e irritação nos olhos e na pele, bem como danos às plantações e estruturas metálicas. Essas emissões podem ainda originar poluição do ar e da água e ter um alcance de centenas de quilómetros

5.Lahars ou fluxos de lama

O IGN também alerta para algumas avalanches de material vulcânico não consolidado, especialmente cinzas, mobilizadas pela água das chuvas, derretimento de glaciares, transbordamentos ou derretimento de gelo.

O seu comportamento é semelhante ao das cheias, é canalizado por ravinas e incorpora todo o tipo de materiais que carrega ao longo do seu caminho, o que aumenta o seu poder destrutivo.

Esses fluxos podem acontecer durante a erupção ou meses depois, após uma chuva torrencial, de acordo com o centro geográfico, portanto este perigo deve ser tido em consideração por muito tempo após o evento de La Palma.

6.Deslizamentos de terra

A superposição de materiais duros e moles em edifícios vulcânicos cria uma estrutura que pode se tornar instável e causar o colapso de parte do edifício. Água ou a intrusão de um grande volume de magma podem causar esses movimentos.

7.Tsunamis

As ondas massivas podem ser geradas pelos deslizamentos de terra acima mencionados de um grande edifício vulcânico, por fluxos piroclásticos maciços ou por uma erupção subaquática. Essas ondas podem atingir alturas de vários metros e chegar a dezenas ou centenas de metros da costa.

Ler Mais


Comentários
Loading...