China lança “múltiplos mísseis balísticos” para águas à volta da ilha de Taiwan

As forças armadas chinesas dispararam esta quinta-feira “múltiplos mísseis balísticos” nas águas que circundam a ilha de Taiwan, disse o Ministério da Defesa de Taipei, condenando “ações irracionais que minam a paz regional”.

“O Ministério da Defesa nacional declara que o Partido Comunista Chinês disparou vários mísseis balísticos ‘Dongfeng’ nas águas circundantes do nordeste e sudoeste de Taiwan às 13:56 [06:56 em Lisboa]”, anunciou o ministério, em comunicado.

Os militares taiwaneses não adiantaram o local exato onde os mísseis caíram.

O Exército Popular de Libertação da República da China também confirmou o lançamento de mísseis, explicando ter-se tratado de “um ataque com mísseis convencionais multirregionais e de vários modelos em águas predeterminadas da parte leste da ilha de Taiwan”.

Segundo adiantou um responsável, “todos os mísseis atingiram o alvo com precisão”.

A televisão estatal chinesa, a CCTV, já tinha anunciado, esta quinta-feira de manhã, que a China ia dar início a exercícios militares, com fogo real, nas imediações de Taiwan, acrescentando que a operação irá durar até domingo.

Jornalistas da AFP viram pequenos projéteis disparados de instalações militares próximas a voar para o céu, seguidos por nuvens de fumo branco e sons estrondosos por volta das 13:13 locais (6:13 em Lisboa).

As manobras militares surgem em resposta à visita da congressista norte-americana Nancy Pelosi a Taiwan, vista como uma grave provocação pela China.

Nancy Pelosi é a mais importante responsável norte-americana a visitar a ilha em 25 anos.

O Governo chinês respondeu nos últimos dias com sanções económicas a Taiwan.

Washington tem também um porta-aviões e outro equipamento naval na região.

Pequim reclama a soberania sobre a ilha e considera Taiwan uma província separatista desde que os nacionalistas do Kuomintang se retiraram para a ilha em 1949, depois de perderem a guerra civil contra os comunistas.

União Europeia condena manobras militares “agressivas” de Pequim

O chefe da diplomacia da União Europeia condenou esta quinta-feira as manobras militares “agressivas” da China no Estreito de Taiwan.

Josep Borrell sustentou que não há “nenhuma justificação” para as ações e que Pequim está a utilizar a visita a Taiwan da congressista americana Nancy Pelosi “como pretexto”.

“É normal para os deputados dos nossos países fazerem viagens internacionais”, escreveu na rede social Twitter a partir da capital do Camboja, à margem de uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

A Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) apelou esta quinta-feira à calma no Estreito de Taiwan, aconselhando contra qualquer “ação provocatória” na sequência da visita a Taipé da líder da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

Numa rara declaração sobre este tipo de questões, os ministros dos Negócios Estrangeiros das dez nações da ASEAN, reunidos em Phnom Penh, capital do Camboja, expressaram preocupação com a possibilidade da situação poder “desestabilizar a região e eventualmente levar a um erro de cálculo, a um confronto sério, a conflitos abertos e a consequências imprevisíveis entre grandes potências”.

Ler Mais


Comentários
Loading...