Café expresso candidato a património imaterial da humanidade: Itália já avançou com o pedido na UNESCO

A Itália vai pedir o estatuto de património imaterial da humanidade para o café expresso junto da UNESCO, alegando que “é muito mais do que uma simples bebida”. O café pode seguir o exemplo da arte do pizzaiolo napolitano na lista da agência da ONU, presente desde 2017.

“É um ritual autêntico e uma expressão de nossa sociabilidade que nos distingue em todo o mundo”, disse Gian Marco Centinaio, subsecretário de agricultura, confirmando que o pedido foi apresentado.

O café expresso rapidamente tornou-se parte integrante da identidade nacional após a sua criação em Turim no final do século XIX. Tomar um expresso cria uma ocasião para um encontro, para discutir política e futebol, para reclamar, para fazer as pazes ou para pagar uma dívida, ou simplesmente uma desculpa para falar sobre tudo e nada.

De acordo com o Italian Espresso Institute, fundado em 1998 com o objetivo específico de proteger e promover o espresso original, o mercado vale mais de 4 mil milhões de euros anualmente, com mais de 90% dos italianos a beber uma chávena de café todos os dias.

Os rígidos regulamentos do instituto para o espresso perfeito incluem o uso de uma mistura de café certificada, equipamentos certificados e até pessoal licenciado.

O creme, a espuma mais leve que fica no topo da bebida escura com cafeína, “deve ser uniforme e persistente por pelo menos 120 segundos a partir do momento em que o café foi tirado sem mexer” e a cor deve ser “marrom-avelã a marrom escuro”.

Centinaio garantiu que a candidatura do expresso foi também uma forma de celebrar a interação social em Itália, parcialmente interrompida devido à pandemia da Covid-19.

Ler Mais


Comentários
Loading...