2035: O ano da “morte” de 99% da produção automóvel portuguesa

Portugal produziu 264 mil veículos em 2020. Cerca de 99% desta produção estará proibida em 2035, à luz das novas regras de emissões de CO2 propostas pela Comissão Europeia, revela hoje o “Público”.

“Bruxelas exige emissões zero para os novos carros em 2035 para atingir a meta de redução de 55% nas emissões dos automóveis. O mesmo é dizer: o motor de combustão interna “morre” daqui a 14 anos”, explica o mesmo jornal.

“Para não perderem esta corrida, enfrentando uma conjuntura de catástrofe que implica um esforço acrescido, as empresas terão que fazer investimentos para lá do que seria a evolução normal”, frisa ao “Público” Adão Ferreira, secretário-geral da Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel, uma organização que representa cerca de 360 empresas nacionais, produtoras de componentes, com 61 mil trabalhadores.

“Não é possível antecipar o cenário daqui a 14 anos. Estamos otimistas com o futuro da fábrica de Cacia do Grupo Renault”, comenta Joana Cardoso, diretora de comunicação e transformação do grupo francês.

Como refere o mesmo jornal, os OEM (Original Equipment Manufacturers) com presença em Portugal prometeram, nos últimos meses, um grande esforço financeiro de curto e médio prazo para entrarem no roteiro elétrico. Volkswagen: 35 mil milhões de euros. Renault: 10 mil milhões de euros. Stellantis (PSA-FCA): 30 mil milhões.

Porém, “as fábricas portuguesas ficaram à margem. A grande aposta da Renault é França. Já a Volkswagen (VW) escolheu Espanha para “pilar estratégico” no sudoeste da Europa”.

Ler Mais




Comentários
Loading...