Sindicato revela 200 enfermeiros com vínculo precário em Coimbra

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) revelou hoje que cerca de 200 enfermeiros trabalham atualmente com “contratos precários” no Serviço Nacional de Saúde (SNS) no distrito de Coimbra.

Esse número inclui profissionais “com contratos a termo certo e contratos a termo incerto”, além de enfermeiros sem qualquer vínculo que prestam serviços ao SNS através dos chamados recibos verdes, disse, à agência Lusa, Paulo Anacleto, do SEP.

O dirigente falava no final de uma concentração de enfermeiros, à entrada dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC), em que foi reclamada ao Ministério da Saúde a celebração de contratos sem termo com estes profissionais.

Com esse objetivo, os manifestantes dirigiram-se depois ao interior do perímetro dos HUC, polo principal do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), e uma delegação do SEP foi recebida pela enfermeira diretora, Áurea Andrade, a quem entregaram um abaixo-assinado em que “exigem contratos sem termo, estáveis e com direitos” para os trabalhadores da enfermagem “que continuam em situação precária”.

Paulo Anacleto disse à Lusa que uma cópia do documento será enviada à ministra da Saúde, Marta Temido, e ao primeiro-ministro, António Costa.

Nestas “condições precárias”, segundo o sindicalista, “trabalham atualmente 1.800 enfermeiros em todo o país”, sendo 200 no distrito de Coimbra, dos quais 150 nas diferentes unidades que integram o CHUC.

“Destes, há enfermeiros que foram contratados ao abrigo do combate à pandemia da covid-19, no dia 1 de agosto, com contratos de termo certo de quatro meses”, afirmou.

Paulo Anacleto disse que, se estes contratos não passarem a definitivos, os profissionais “vão para casa”.

“As instituições veem-se confrontadas com a possibilidade de estes enfermeiros saírem eventualmente para o estrangeiro”, alertou.

Para o dirigente do SEP, “não faz sentido manter esta precariedade ano após ano”, tendo em conta que estes enfermeiros “antes da pandemia já eram necessários”.

“Estima-se que, em Portugal, faltam cerca de 30 mil enfermeiros” no Serviço Nacional de Saúde, sublinhou.

Ler Mais




Notícias relacionadas
Comentários
Loading...