Praias negras e milhares de aves mortas. Derrame de petróleo atingiu duas reservas naturais do Peru

Praias negras e milhares de aves mortas. Derrame de petróleo atingiu em força duas reservas naturais do Peru.

Os trabalhos de limpeza na costa do Peru prosseguem, mas o cenário é absolutamente desolador: praias cheias de crude e milhares de aves mortas são já as primeiras vítimas do derrame de petróleo no Oceano Pacífico no passado sábado, 15, numa refinaria operada pela Repsol.

“É o pior desastre ecológico registado aqui nos últimos tempos”, considerou logo o governo peruano, citado pelas agências internacionais.

Ao todo, estima-se que tenham sido derramados mais de 6 mil barris de petróleo, afetando uma área de 18 mil quilómetros quadrados de zonas protegidas, onde vive uma grande variedade de plantas e animais.

Ao que se sabe, o desastre resultou das fortes ondas provocadas pela explosão de um vulcão submarino em Tonga, reino polinésio com mais de 170 ilhas. Um tsunami acabaria depois por atingir o Peru, depois de percorrer mais de 10 mil quilómetros.

Foi quando abalroou o navio de carga que estava a descarregar na refinaria La Pampilla, da petrolífera espanhola Repsol, a quem as autoridades peruanas já exigiram que pague pelo desastre ecológico que provocou.

“A Repsol deve-nos compensar imediatamente pelos danos”, fez igualmente saber o ministro do meio ambiente do país, Ruben Ramirez, acrescentando ainda que um dos quatro terminais da refinaria está encerrado até que as causas do derrame sejam determinadas.

Ler Mais


Comentários
Loading...