Jogos Olímpicos? Receber competição no Japão é uma “missão suicida”, diz um dos principais CEOs do país

Depois de o sindicato dos médicos do Japão ter pedido já o cancelamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, agora é a vez do CEO da principal empresa de comércio eletrónico do país, que defende a mesma posição e vai ainda mais longe, adiantando que receber o evento seria uma “missão suicida”.

Em entrevista à CNN, o CEO da Rakuten (RKUNF), Hiroshi Mikitani, referiu que tem tentado convencer o governo a cancelar os jogos de Tóquio, programados para começar a 23 de julho. Aquele que é um dos principais líderes corporativos do país chegou mesmo a dar ao governo japonês uma pontuação de “dois em 10” pela forma como tem vindo a lidar com a pandemia, tecendo duras críticas ao facto de o Japão manter a competição.

“É perigoso receber um grande evento internacional, o risco é muito grande”, disse Mikitani à CNN Business. “A vantagem não é assim tão grande e vemos que muitos países ainda estão a lutar contra a Covid-19, incluindo a Índia e o Brasil. Ainda não é hora de comemorar”, acrescentou.

Com o aumento do número de casos de Covid-19, centenas de milhares de pessoas assinaram uma petição online, que pede o cancelamento dos Jogos Olímpicos no Japão. Uma preocupação que tem vindo a ser partilhada pelos principais executivos japoneses.

O CEO da SoftBank (SFTBF), Masayoshi Son, disse, esta quinta-feira, em declarações à CNBC, que também está “com medo” de receber a prova no país, tanto pelo Japão, como por outros países. “Eles estão a passar por uma situação difícil. Não sei como é que poderão apoiar a vinda dos atletas”, alertou.

Também a Toyota, um dos principais patrocinadores dos jogos deste ano, se mostrou “preocupada”, já no início da semana, com a frustração que o público pode passar para os atletas, mesmo antes do evento.

O cancelamento dos Jogos Olímpicos, ou eventualmente um novo adiamento, é uma das hipóteses que está a ser considerada pelo governo japonês. Toshihiro Nikai, secretário-geral do Partido Liberal Democrata do primeiro-ministro Yoshihide Suga, admitiu, em abril, que se o número de casos de Covid-19 continuar a subir, a prova terá de ser reconsiderada.

Ler Mais




Notícias relacionadas
Comentários
Loading...