França: Líder da extrema-direita estava a preparar golpe militar no país

Uma figura ligada a movimentos de extrema-direita e teorias da conspiração bem conhecida em França, Rémy Daillet, está detido e acusado de vários crimes, incluindo terrorismo, por planear um golpe militar no país.

Vários meios de comunicação social franceses noticiam hoje que Daillet é acusado de terrorismo, tendo sido o cérebro da”Operação Azur”, um grande plano paramilitar cujo objetivo final era ocupar o poder pela força, como avança o Le Parisien e a France Info.

O homem, de 55 anos, viveu nos últimos anos na Malásia, país partir do qual publicou vídeos de teor conspirativo contra o governo francês e contra a pandemia, as vacinas, aborto ou comunicações 5G.

Acredita-se que Daillet tenha criado a partir da Malásia um sistema de comunicação criptografado que se transformou numa rede de células regionais de simpatizantes de extrema-direita, incluindo neonazis, negacionistas ou fanáticos por teorias da conspiração, vários dos quais estão também já detidos.

A organização foi dividida entre uma estrutura civil e uma militar (que era liderada por dois militares profissionais), com um total de cerca de 300 membros. Os serviços secretos (DGSI) foram capazes de identificar várias dezenas, incluindo vários agentes de polícia e militares.

Vários membros desta rede estão acusado de sequestrar uma menina de oito anos em abril, a pedido da mãe, que tinha perdido a custódia da criança. Os envolvidos defendem que estavam a libertar a menina de uma rede de pedofilia organizada pelo Estado.

O grupo radical preparava ataques a lojas maçónicas, centros de vacinação contra a covid-19 e atentas 5G.

Ler Mais


Comentários
Loading...