Doentes não Covid começam a ser afetados pelo agravamento da pandemia em Portugal, alerta especialista

A evolução da pandemia em Portugal, que atingiu um nível crítico nos últimos dias, começa a afetar os cuidados de saúde prestados aos doentes não Covid. O alerta é dado pelo matemático Henrique Oliveira, em declarações ao ‘Correio da Manhã’ (CM).

O indicador concebido pelo Instituto Superior Técnico e pela Ordem dos Médicos ultrapassou os 100 pontos definidos como nível crítico, porque o número de internamentos disparou nos dois últimos dias, com mais 321 doentes, numa subida de 16%. Para além disso, também os óbitos, o índice de transmissibilidade (Rt) e a incidência aumentaram, contribuindo para a subida geral.

Com o indicador neste valor, Henrique Oliveira, responsável pelo seu desenvolvimento, refere que chegando a este ponto, a pandemia é uma ameaça para as outras doenças, que passam a ser secundárias e muitas vezes não são tratadas.

Segundo o especialista, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) “começa a ter de passar para segundo plano os doentes que não têm Covid-19 e há muitos tratamentos que começam a ser adiados”.

Esta já não é a primeira vez que Portugal ultrapassa o nível crítico, fê-lo entre outubro de 2020 e fevereiro de 2021, quando Portugal chegou a ter 6869 doentes Covid internados, mais de 900 em Cuidados Intensivos, e mais de 300 mortos, elevando o indicador para 167 pontos.

No entanto, agora, para Henrique Oliveira acredita que o indicador não irá acima dos 120 definidos como nível de catástrofe, uma vez que a situação pandémica, apesar de estar a evoluir, é diferente do últimos dois anos.

Ler Mais


Comentários
Loading...