Covid-19: Pressão nos serviços de saúde e impacto na mortalidade são reduzidos, segundo relatório da DGS

A análise dos diferentes indicadores revela uma atividade epidémica de SARS-CoV-2 de intensidade reduzida e transmissibilidade moderada, com tendência estável a nível nacional, conclui o mais recente relatório da DGS e do INSA com a monitorização das linhas vermelhas para a covid-19. A pressão nos serviços de saúde e o impacto na mortalidade são reduzidos e têm tendência estável.

O número de novos casos de infeção por 100 mil habitantes, acumulado nos últimos 14 dias, foi de 91 casos, com tendência estável a nível nacional. Nenhuma região apresentou uma incidência superior ao limiar de 240 casos em 14 dias por 100 mil habitantes, de acordo com a mesma análise.

Veja aqui como está o seu concelho

No grupo etário com idade superior ou igual a 65 anos, o número de novos casos de infeção por por 100 mil habitantes, acumulado nos últimos 14 dias, foi de 68 casos, com tendência estável a nível nacional.

O R(t) apresenta valor igual ou superior a 1, indicando uma tendência estável a crescente da incidência de infeções por SARS-CoV-2 a nível nacional (1,02) e na maioria das regiões, com exceção do Alentejo e Algarve que apresentam uma tendência decrescente (0,80 e 0,95 respetivamente).

O número de casos de COVID-19 internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) no continente revelou uma tendência estável, correspondendo a 23% (na semana anterior foi de 22%) do valor crítico definido de 255 camas ocupadas.

A nível nacional, a proporção de testes positivos para SARS-CoV-2 foi de 1,6% (na semana anterior foi de 1,4%) encontrando-se abaixo do limiar definido de 4,0%. Observou-se um decréscimo do número de testes para deteção de SARS-CoV-2 realizados nos últimos sete dias.

A proporção de casos confirmados notificados com atraso foi de 6,2% (na semana passada foi de 8,3%), mantendo-se abaixo do limiar de 10,0%.

Nos últimos sete dias, 89% dos casos de infeção por SARS-CoV-2 / COVID-19 foram isolados em menos de 24 horas após a notificação e, no mesmo período, foram rastreados e isolados, quando necessário, todos os contactos em 83% dos casos.

A variante Delta (B.1.617.2), originalmente associada à Índia, é a variante dominante em todas as regiões, com uma frequência relativa de 100% (em atualização) dos casos avaliados na semana 40/2021 (4 a 10 de outubro) em Portugal.

A mortalidade específica por COVID-19 (9,4 óbitos em 14 dias por 1 000 000 habitantes) apresenta uma tendência estável, o que revela um impacto reduzido da pandemia em termos de mortalidade por COVID-19 (menor que 10 óbitos por milhão de habitantes em 14 dias).

 

Ler Mais


Comentários
Loading...