Covid-19: Maternidade em Nova Iorque obrigada a encerrar depois de profissionais se demitirem por recusarem vacina

Um hospital do estado de Nova Iorque vai deixar de prestar assistência de ginecologia e obstetrícia por falta de profissionais, já que uma grande parte deles recusa receber a vacina contra a covid-19 e pediu demissão.

Assim, a partir de 24 de setembro, o Hospital de Lewis County, em Lowville, vai deixar de fazer partos, como anunciou Gerald Cayer, responsável do Sistema de Saúde do Condado de Lewis, numa conferência de imprensa citada pela comunicação social norte-americana.

“Não teremos capacidade para ter uma equipa segura ao serviço depois de 24 de setembro. O número de demissões recebidas não nos deixa escolha a não ser interromper a actividade de partos no Hospital de Lewis County. Espero que o Departamento de Saúde trabalhe conosco para dar apoio em vez de fechar a maternidade”, disse Cayer em conferência de imprensa.

Desde que o ex-governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, anunciou que todos os funcionários de hospitais e casas de repouso serão obrigados a receber pelo menos uma dose da vacina Covid-19 até 27 de setembro, 30 funcionários deste hospital nova-iorquino apresentaram demissão, sendo que 21 deles trabalhavam em áreas médicas. Destas demissões, seis ocorreram na maternidade.

“A nossa taxa de vacinação é de 73%”, explicou o responsável. “165 funcionários ainda não foram vacinados. E não é certo que o façam”, disse Cayer.

“Faltam duas semanas para que 165 funcionários recebam a primeira dose da vacina. E, ao mesmo tempo, devemos desenvolver planos de contingência para serviços que acreditamos estarem em risco. Não podemos esperar até ao último minuto”, disse.

Questionado sobre o que seria necessário para manter a maternidade a funcionar, o responsável respondeu: “A nossa esperança é que, à medida que nos aproximamos do final do prazo, o número de indivíduos vacinados aumente, que menos pessoas saiam e, talvez com um pouco de sorte, alguns daqueles que se demitiram que reconsiderem a decisão.”

EUA: Hospital enfrenta grupo anti-vacinas improvável: os seus próprios funcionários

Ler Mais


Comentários
Loading...