Caos nos aeroportos: especialistas revelam dicas para evitar atrasos e filas neste verão

O verão começou mal. As restrições que tinham sido aplicadas para combater a pandemia foram levantadas e muitos eram aqueles que tinham planos para aproveitar o primeiro verão pós-Covid-19, mas as companhias aéreas mostram agora que não têm capacidade para dar resposta ao aumento exponencial da procura.

Os últimos dias têm sido marcados por constrangimentos significativos nos aeroportos portugueses e um pouco por toda a Europa, com inúmeros voos cancelados e milhares de passageiros retidos em terra sem possibilidade de embarcarem. As queixas contra as operadoras aéreas, incluindo a portuguesa TAP, acumulam-se, mas não parece haver uma solução no horizonte próximo.

Os trabalhadores dos transportes aéreos e dos aeroportos denunciam a falta de recursos humanos para lidar com o regresso a níveis de tráfego de 2019, queixam-se de condições salariais insatisfatórias e fraca segurança laboral, ameaçando greves que irão perturbar ainda mais os serviços.

Com este pano de fundo a ensombrar o verão de muitos europeus, haverá alguma solução para que os passageiros não tenham que perder horas intermináveis das suas férias de verão em longas filas de espera? Os especialistas dizem que sim.

Simon Calder, especialista britânico em viagens, diz que um dos problemas se prende com o facto de muitos passageiros chegarem aos aeroportos com demasiada antecedência. “Parece absolutamente louco, mas grande parte destas filas são pessoas que têm voo às 10 da manhã e que chegam às 5 da manhã”, diz Calder, citado pela ‘Euronews’.

Alguns aeroportos, como o de Manchester, no Reino Unido, têm vindo a contratar mais pessoal para os pontos de controlo de segurança, de forma a conseguirem escoar as longas filas de espera e a lançar companhas de informação que pedem aos passageiros para não chegarem mais do que três horas antes da partida dos seus voos.

Outro fator que faz aumentar os tempos de espera relaciona-se com os pontos de controlo de segurança, aquele momento do percurso que nos é já tão familiar em que os passageiros têm que passar a sua bagagem por sistemas de raios-X e sujeitar-se ao detetor de metais.

Todos sabemos que muitos passageiros não conhecem o que devem ou não transportar na bagagem de cabine, levando líquidos que ultrapassam o volume permitido de 100 mililitros ou que não estão acomodados em embalagens transparentes. Isso faz aumentar ainda mais as filas de espera no controlo de segurança.

Nesta etapa do processo, é preciso também retirar todos os objetos metálicos e colocá-los no tapete dos raios-X, como colares, cintos, moedas e porta-chaves. Por isso, antes de chegar ao controlo de segurança, certifique-se de que conseguirá ser rápido a colocar tudo o que deve no tabuleiro, para não perder tempo nem atrasar quem vem atrás de si.

Também escolher o horário certo para voar pode ajudar a evitar tempos de espera intermináveis. Muitos passageiros escolhem voos logo pela manhã, na esperança de que hja menos pessoas no aeroporto. Essa pode ser uma ideia errada.

O mesmo órgão de comunicação social aponta que, por exemplo, nos aeroportos de Manchester, Birmingham e Leeds Bradford, todos nos Reino Unido, as maiores filas de espera registam-se entre as quatro e as sete da manhã e entre a uma e as quatro da tarde. Além disso, também se regista um maior número de passageiros entre sexta-feira e segunda-feira.

Assim, se quer viajar e tem disponibilidade de horários, escolha um voo durante a semana durante a hora do almoço.

E um último conselho: antes de se dirigir ao aeroporto de Lisboa, consulte a lista de voos no site da ANA, para que não perca o seu precioso tempo de férias de verão.

Para esta terça-feira, já foram cancelados 27 voos no Aeroporto Humberto Delgado.

Ler Mais


Comentários
Loading...