8 perguntas e respostas sobre a terceira dose da vacina. De quem deve tomar à eficácia

A terceira dose da vacina contra a Covid-19 já começa a ser administrada, mas ainda são muitas as dúvidas que pairam em torno da mesma. Desde as pessoas que podem ser inoculadas à duração da eficácia da nova dose de proteção face ao novo coronavírus.

O El Mundo preparou um guia com respostas a algumas das principais perguntas que surgem por estes dias, considerando, entre outros, a predominância da variante Delta.

Precisamos mesmo de uma terceira dose?

Embora as vacinas se tenham mostrado eficazes em casos mais graves de Covid-19, a verdade é que a força do fármaco vai desvanecendo com o tempo. Por isso, é importante aumentar o número de anticorpos, garantindo que ainda existem suficientes para combater o vírus.

Qual é a diferença entre a terceira dose e a dose de reforço?

De acordo com o jornal espanhol, a terceira dose pode ser administrada 28 dias depois da segunda e está pensada para completar o ciclo de vacinação de pessoas imunodeprimidas, ou seja, pessoas cujo corpo não conseguiu responder da maneira necessária só com as primeiras inoculações. A dose de reforço, por seu turno, deve ser administrada pelo menos seis meses depois da segunda dose e já faz parte de um segundo ciclo de vacinação.

Quando é que a eficácia da vacina começa a diminuir?

Em média, entre seis e nove meses depois das duas doses administradas, a eficácia começa a reduzir – ainda que esta redução não pareça ser muito expressiva. O recuo da eficácia também varia consoante a vacina tomada.

A eficácia decresce em todas as pessoas?

Segundo o El Mundo, quanto mais velha for a pessoa, pior será a resposta do seu sistema imunitário. Por isso mesmo, a idade será a primeira variável a ter em consideração quando se fala em eficácia da vacina.

O tempo que passa entre a primeira e a segunda dose tem influência?

Os dados disponíveis até ao momento não revelam uma relação entre o tempo esperado entre a administração das duas doses.

E o que que é acontece com a vacina da Johnson, que só tem uma dose?

Quem recebeu a vacina da Johnson estará numa situação semelhante a quem recebeu a vacina da AstraZeneca, ou seja, deve estar entre os primeiros cidadãos a receber uma dose adicional de reforço sem esperar seis meses por isso. O El Mundo indica que esta deve ser a prática, independentemente da idade da pessoa.

Quanto tempo durarão as vacinas atuais?

Ainda não se sabe. Não é possível saber, para já, quanto tempo durará a imunidade decorrente da vacina nem como irá o vírus evoluir no futuro – e as duas incógnitas estão estreitamente ligadas. Caso o vírus não se altere muito, a nova geração de vacinas melhoradas poderá ser usada durante vários anos. Por outro lado, se o vírus continuar a evoluir, poderá ser preciso desenvolver uma nova versão da vacina todos os anos.

É seguro tomar a dose de reforço?

Não há uma resposta concreta para esta resposta: ainda não se sabe. No entanto, a Agência Europeia do Medicamento (EMA na sigla em inglês) aprovou a sua administração. Por outro lado, a autoridade responsável por regular esta área nos Estados Unidos da América só aprovou a terceira dose para pessoas de grupos de risco.

Ler Mais


Comentários
Loading...