Aquecimento global: Colapso de glaciares, como o que matou várias pessoas em Itália, será mais frequente nos próximos anos, alertam especialistas

O aumento contínuo da temperatura do planeta Terra está a fazer derreter gigantes blocos de gelo que estão congelados há centenas e até milhares de anos. Nos tempos que se avizinham, eventos desses deverão tornar-se mais frequentes.

Este domingo, partes de um glaciar desprenderam-se da montanha Marmolada, nos Alpes italianos, provocado uma derrocada que causou a morte de seis pessoas e o desaparecimento de dezenas. Citado pelo ‘The Guardian’, Walter Milan, da agência de resgates alpinos de Itália, explica que, nos últimos dias, os Alpes registaram temperaturas de 10 graus centígrados, o que é “extremamente quente” para essa região. Esse mesmo organismo prevê que o glaciar deixará de existir nos próximos 30 anos.

Por sua vez, o especialista em glaciares Poul Christoffersen, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, sentencia ao jornal britânico que “o colapso do glaciar de Marmolada é um desastre natural diretamente associado às alterações climáticas”, explicando que formações massivas de gelo dessa dimensão dependem de temperaturas abaixo de zero para se manterem estáveis.

“As alterações climáticas fazem com que haja cada vez mais água do gelo derretido a ser formada, que quando libertada aquece o gelo”, o que faz o bloco gelado desprender-se da rocha sobre a qual foi formado, “causando um colapso repentino”. E garante: “Colapsos catastróficos de glaciares como este [de Marmolada] estão a tornar-se cada vez mais frequentes”.

Outro cientista apoia a tese que aponta as alterações climáticas como o fator que levou ao desabamento do glaciar ontem em Itália. Jacques Mourey, da Universidade de Lausanne, na Suíça, explica que a onda de calor que tem afetado a península italiana pode ter estado na origem do desastre. “Se olharmos para as imagens, podemos ver uma grande fenda na parte superior [do glaciar] que colapsou”, o que indica que parte do bloco de gelo já não estaria ligado à base rochosa. “Se não houvesse uma fenda, provavelmente nada teria acontecido”.

E deixa uma previsão que deverá inspirar cautela e fazer-nos pensar: “À medida que fica mais quente, o gelo torna-se cada vez mais fraco”, e novos desastres como aquele a que assistimos ontem devem tornar-se mais frequentes.

Ler Mais


Comentários
Loading...