Saúde. Cinco mitos relacionados com o tempo frio que deve (mesmo) esquecer

A vaga de frio parece ainda não ter abandonado por completo o nosso país. As temperaturas frias têm marcado os últimos dias e semanas, obrigando as populações a acender as suas lareiras, ligar aquecedores e usar fortes casacos.

Todos conhecemos os riscos que o frio pode representar para a nossa saúde. As constipações e as gripes acompanham normalmente os meses de inverno. Todavia existem igualmente algumas ideias pré-concebidas e erradas sobre a forma como o frio impacta o nosso organismo que simplesmente não são verdadeiras.

Conheça agora alguns dos principais mitos que associamos às temperaturas baixas e aos riscos que estas apresentam para o nosso bem-estar.

 

  1. Mito: Perdemos a maior parte do calor da nossa cabeça

Regra geral acreditamos que devemos sempre usar um chapéu ou gorro nos dias frios porque acreditamos que a nossa cabeça se encontra altamente vulnerável às temperaturas baixas. A verdade é que esta não é a região do nosso corpo onde se regista uma perda maior de calor.

O nosso torso, quando exposto, é a área que perde rapidamente mais temperatura, de acordo com um estudo publicado no British Medical Journal. Isto não significa que não deva usar um chapéu, mas não vale a pena ficar obcecado com esta situação.

 

  1. Mito: O álcool aquece-nos

Até pode querer acreditar que isto seja verdade. Mas não é. O álcool é capaz de dilatar os nossos vasos sanguíneos, facilitando a distribuição do calor pelo nosso corpo. Todavia isso não significa que esteja a aquecer. Antes pelo contrário, pode até ser capaz de reduzir a sua temperatura central do seu organismo. As bebidas alcoólicas não vão certamente ser capazes de o salvar de uma hipotermia.

 

  1. Mito: a gripe não está relacionada com os meses de inverno

A verdade é que sempre que existe inverno, existe também gripe. É inquestionável. A natureza do vírus da gripe determina que as temperaturas frias acabam por proteger o vírus e facilitar a sua propagação entre pessoas. Nos meses mais quentes essa “camada protetora” deixa de existir, dificultando fortemente a sobrevivência do vírus.

 

  1. Mito: demora algum tempo até que os tecidos de pele congelem

Quando o tempo está realmente frio, podem bastar alguns minutos para que se sofra com uma úlcera de frio na pele. Num dia em que se registe uma temperatura de -20° graus negativos e um vento forte, pode ser apenas necessária uma exposição da pele durante 5 minutos para que se forme uma úlcera e os tecidos sejam destruídos.

 

  1. Mito: o calor mata mais que o frio

De acordo com um estudo publicado em 2015, o tempo frio mata aproximadamente 20 vezes mais pessoas do que o tempo quente. Esta investigação analisou mais de 74 milhões de mortes em mais de 384 localidades, distribuídas por mais de 13 países.

Apesar de ser possível, por exemplo, fazer exercício físico no exterior quando está mais frio, a verdade é que uma exposição prolongada pode ser facilmente fatal. Os idosos e as crianças são os grupos mais vulneráveis.

 

 





Notícias relacionadas
Comentários
Loading...