Covid-19: Confinamento e pandemia inibem o desejo sexual, indica especialista

O confinamento e a pandemia do covid-19 inibem o desejo sexual dentro e fora do casal, um fenómeno que durará, exceto nos mais jovens, além do fim da quarentena, explicou o vice-presidente da Sociedade Catalã de Sexologia, Antonio Bolinches, à Efe.

O psicólogo clínico e terapeuta de casais apontou que o medo de infetar ou ser infetado leva-nos a ser mais “esquivos” com a sexualidade e a preferir a autossatisfação ou o sexo cibernético.

“Como consequência do conselho de distanciamento social, por um tempo será dada uma importância relativa à sexualidade. Assim como há uma crise económica que teremos que superar, também haverá uma crise de confiança em relação ao contacto físico”, declarou o autor de “Sex wise”.

O especialista indicou ainda que haverá uma “assepsia comunicativa” com consequências também na sexualidade.

As pessoas vão parar de se apaixonar e dormir com estranhos? Para Bolinches, no período “imediatamente após” a crise da covid-19 “haverá uma repercussão evitável não apenas na sexualidade, mas também na afetividade e em todos os tipos de contacto interpessoal”.

“Em situações críticas, o que importa é a saúde e qualidade de vida. Eu diria mesmo que, se disséssemos a muitos que ficariam imunizados para a covid-19 se ficassem um ano sem sexo, aceitariam sem hesitação”, acrescentou.

A partir desta retração diante da sexualidade, Antonio Bolinches deixa de lado os mais jovens, porque “eles têm menos consciência” e, acima de tudo, “uma sexualidade efervescente”.

“Além disso, eles sabem que, devido à idade, a doença é menos perigosa”, acrescentou Bolinches, que indica os menores de 30 anos como “os primeiros a retomar a normalidade sexual”.

Outra história, ressaltou, será a sexualidade dos casais, uma questão que influenciará as diferentes visões sobre a gestão da pandemia dos seus membros, que, por precaução ou como resultado de contágio, estão em muitos casos a dormir separados.

“Não tenho dúvidas de que quem mais será afetado são os casais. Como já foi dito anteriormente, os divórcios vão crescer”, afirmou.

Segundo o terapeuta, 20% dos casais que foram confinados romperão o relacionamento após a quarentena devido ao desgaste ou desapontamento anterior em relação à gestão da crise entre eles.

“Os outros 80% estão divididos entre uma minoria que se tornará mais forte e o resto dos casais que serão afetados, mas poderão recuperar gradualmente, em alguns casos com terapia”, acrescentou.

E tudo isto porque “o confinamento gera tensão, frustração, ansiedade e desconforto psicológico, que não são facilitadores da sexualidade”, observou.

Além disto, hoje em dia há menos abraços, menos beijos e mais atritos, incluindo discrepâncias sobre como gerir a quarentena e os passeios, teletrabalho ou creche.

Questionado sobre se, após a covid-19, deve-se esperar uma mudança na generalização das medidas de proteção sexual, como a que ocorreu como resultado da Sida nos anos 80 do século passado, Bolinches disse que não pode ser comparada.

“A Sida foi transmitida basicamente por meios sexuais e, por esse motivo, causou medo sobre a sexualidade a um grande número de pessoas que sabiam que tudo era baseado em boa proteção. Mas a covid-19 não faz do sexo o principal canal de transmissão” , ele explicou.

“A Sida descarregou o peso do medo no sexo, enquanto o coronavírus o faz em contato interpessoal e, portanto, a necessidade de manter o distanciamento social por algum tempo”, acrescentou.





Notícias relacionadas
Comentários
Loading...