Autenticidade. Eis 5 coisas que precisa de saber sobre a sua importância

Todas as vidas são distintas. Ninguém tem uma experiência exatamente igual a outra pessoa. No entanto existem alguns desafios que parecem “assombrar” o crescimento e a evolução da maior parte dos indivíduos.

A incapacidade de sermos nós próprios e a forma errada como lidamos com as expectativas dos outros parecem ser dois pontos fulcrais, de acordo com o Psychology Today. O impulso que sentimos para cumprir os desígnios e os “papéis” que nos são esperados podem ter consequências graves para o nosso bem-estar. Muitos acabam por viver vidas afastadas dos seus próprios desejos durante décadas.

[Leia também: Deseja ser mais autêntico/a? Estas estratégias prometem ajudar]

Para sermos mais autênticos, necessitamos de compreender estas expectativas alheias e perceber se elas entram em conflito com os nossos próprios valores. Esta é uma análise que devemos fazer durante toda a nossa vida. Apenas assim podemos assegurar que estamos a viver a vida que queremos… e que merecemos.

Este é um exercício que trabalha a nossa autoconfiança, a perceção que temos do nosso valor próprio. É tempo de assumirmos o cuidar do nosso bem-estar como uma prioridade. Apenas desta forma vamos conseguir viver uma existência alinhada com os nossos valores e que produza um real sentido de felicidade e gratidão.

Eis algumas dicas que prometem ajudar ao longo deste processo.

 

  1. Exige esforço

Ao longo deste processo vai ser fácil sentir a tentação de voltar atrás. Após muitos anos a receber a mensagem de que temos sempre que priorizar os outros ou estar focados em sucessos profissionais, pode ser desafiante continuarmos a cuidar eficazmente do nosso bem-estar. Será necessário que seja disciplinado e que encontrar formas de continuar este processo, tendo tempo para si e para as suas necessidades.

 

  1. Estar atento às nossas necessidades não pode significar liberdade total

Cuidar de nós mesmos pode significar muita coisa. Pode ser iniciar um novo hobbie, inscrevermo-nos num curso ou simplesmente comer um pouco de gelado no final de uma semana exigente de trabalho enquanto descansamos a ver um filme. Tudo aquilo que o faça sentir melhor deve passar a ser uma prioridade, no entanto isso deve ser gerido com moderação. Hábitos pouco saudáveis como começar a comer todos os dias fast food, beber álcool diariamente ou gastar dinheiro em compras sem sentido não irão ajudar a que se sinta melhor no longo-prazo.

 

  1. Equilíbrio

É certo que todos temos alguns hábitos menos positivos ou menos saudáveis. Com objetivo de cuidar melhor de nós próprios e viver uma vida mais autêntica, será necessário aproveitar esta oportunidade para encontrar equilíbrio na sua vida. Se têm tendência para ficar a trabalhar durante longas horas, procure forçar-se a terminar o dia mais cedo. Se por outro lado tende a ser pouco produtivo, defina uma meta exata para um projeto criativo que deseja mesmo cumprir. Procure sempre formas de corrigir alguns dos principais desequilíbrios na sua vida.

 

  1. Relacionamentos

Cuidar melhor de nós significa também proteger a nossa identidade no contexto das nossas relações. Por um lado, significa a necessidade de assegurar que temos mais tempo para estar com aqueles que nos são mais queridos, com as pessoas que nos fazem sentir melhor e mais forte. Por outro lado, este processo exige igualmente aprender a distanciarmo-nos de certos indivíduos que nos possam “roubar” mais energia. Limite ao máximo o tempo que passa com pessoas que o fazem sentir cansado, esgotado.

 

  1. Pratique atividades saudáveis

Privilegie as atividades que contribuem ativamente para a saúde do seu corpo e da sua mente. Isto não significa apenas comer mais vegetais, fazer exercício ou praticar meditação. O ato de ler um simples livro pode ser uma contribuição igualmente positiva. Acima de tudo deve procurar perceber que tipo de alterações no seu estilo de vida mais podem contribuir para o seu bem-estar físico e mental. Mais horas de sono? Menos consumo de álcool? Mais exercício físico? Opte por pequenos passos que possam contribuir para grandes alterações no longo-prazo.

 

[Leia também: 10 arrependimentos comuns (e cruéis) depois dos 50 anos]

 

 



Notícias relacionadas
Comentários
Loading...